O jornalismo pequeno e a grande ciência

Posted on 27/07/2011

0


Não dá para negar que houve um divergência grande entre Miguel Nicolelis e seu ex-orientando, Sidarta Ribeiro.  Não veio de hoje e tenho a impressão que o foco principal reside no contraste que – os da academia sabem que existe – entre os interesses expressos pela filosofia da universidade (acesso pleno, pesquisa, extensão e ensino, sem concorrência formal e com muita cooperação) e os interesses de projetos estratégicos que sofrem concorrência, risco de fraude, plágio e uso inadequado.
Têm surgido boatos e fofocas que não visam a outra coisa senão assassinato de reputações.  Não digo com isso que uma divergência profissional, acadêmica e filosófica justifique um afastamento tão intenso de quem sempre foi parceiro.  Motivos pessoais sempre vão preponderar.  No caso que envolve Sidarta e Nicolelis, amanhã as coisas vão ser postas mais às claras na entrevista que o neurocientista marcou.
Para se ter uma ideia do nível rebaixado das críticas que Miguel Nicolelis sofre em Natal, basta uma olhada nos tweets de um jornalista e de um tuiteiro, seus críticos, hoje pela manhã.  A referência ao panelaço é a sugestão feita por Nicolelis a um panelaço em protesto contra a prefeita de Natal, Micarla de Sousa (PV), durante a ocupação da Câmara:

Pela manhã, Miguel Nicolelis voltou a comentar a saída de Sidarta Ribeiro e outros pesquisadores do IINN.  Eu julgo, a entender as entrelinhas da reitora da UFRN, que a saída aconteceria de uma forma ou de outra pela necessidade de vínculo formal e com Dedicação Exclusiva que têm os professores – aprovados em concursos desde 2008 como professores da Universidade.
Nicolelis esclareceu, inclusive, as denúncias relacionadas ao acesso aos laboratórios.

Em outros tweets, Nicolelis respondeu alguns comentários, até maldosos, de internautas e dos jornais:

Anúncios
Posted in: Sem categoria