A ética de Pondé

Posted on 10/10/2011

0


Pensei em publicar o texto de Luiz Felipe Pondé hoje na Folha.  Mas é tão superficial e vazio – cai em tantos lugares comuns que chamá-lo de sexista talvez soe como um elogio e distorção da verdade.  É bem pior que isso.

Uma mulher bonita X se veste com uma saia curta para uma entrevista, entra numa sala com outras pessoas e se senta de pernas abertas. Isso é abusivo. Uma mulher bonita Y se veste com uma saia menos curta do que a mulher X, mas que ainda assim revela, escondendo, sua beleza, entra numa sala com outras pessoas e se senta de modo discreto. Isso é ético.
Neste nosso “experimento”, a mulher Y age de modo ético.

Pondé se propõe a ser um intelectual levado a sério.  E a discutir ética de um ponto de vista sério.  Soa rizível. Não merecem muito Ibope os seus silogismos que são capazes de converter a coisificação do feminino em instrumento do poder feminino.  As mulheres – como os seres humanos – não querem exercer poder de coisas, de objetos.  Querem ser reconhecidos como sujeitos plenos.  Autônomos.  Donos de seus narizes.  Converter em discussão ética – como se ético fosse – a transformação de alguém em objeto soa como quem quer ser, desse objeto, sujeito e senhor.

Anúncios
Posted in: Sem categoria