#15Oct: De Liberdade em Liberdade: da Praça Tahir à Liberty Square

Posted on 17/10/2011

0


“O sistema não está quebrado, foi construído desta forma”
Do site do AnonOps:
Após vencer uma queda-de-braço com a cidade sobre a continuidade do protesto de Wall Street na Liberty Square, no distrito financeiro de Manhattan, o movimento #OccupyWallStreet se espalhou pelo mundo e se ampliou, com manifestações em mais de 1.500 cidades no mundo e mais de cem cidades norte-americanas. Em Nova York, milhares marcharam em vários protestos de sindicatos, estudantes, ambientalistas e grupos comunitários. Com os ocupantes indo para o Washington Square Park, cerca de vinte participantes foram presos nas proximidades do Citibank durante uma tentativa de retirar as suas contas do gigante bancário global.
“Estou ocupando Wall Street, porque é o meu futuro, o futuro de minha geração que está em jogo”, disse Palmer Linnea Paton, 23, estudante da Universidade de New York. “Inspirado pela ocupação pacífica da praça Tahrir, no Cairo, esta noite estamos vindo juntos a Times Square para mostrar ao mundo que o poder do povo é uma força imparável de mudança global. Hoje, estamos lutando contra os ditadores de nosso país – os bancos de Wall Street – e estamos vencendo “.

Nova-iorquinos se reuniram em assembléias organizadas por bairro, e depois inundaram o sistema de metrô em massa para se juntar ao movimento em Manhattan. Um grupo que se autodenomina Todo Boricua Para Wall Street marchou como várias centenas de porto-riquenhos, tocando música tradicional e acenando a bandeira Lares, um símbolo de resistência colonial à Espanha. “Os porto-riquenhos são os 99% e continuaremos a nos juntar aos nossos irmãos e irmãs na ocupação de Wall Street”, disse David Galarza Santa, um sindicalista de Sunset Park, Brooklyn. “Estamos aqui para ficar com todos os latinos, que estão sendo bode expiatório por parte do um por cento, enquanto são banqueiros que causaram esta crise e os bancos que estão quebrando a lei.”

 

Enquanto os holofotes estão em Nova York, ações de ocupação também estão acontecendo em todo o Centro-Oeste e o Sul dos Estados Unidos:

“As pessoas estão sofrendo aqui em Iowa. Agricultores familiares estão lutando, os estudantes enfrentam crescente dívida e a diminuição de bons empregos, e a renda familiar estão caindo”, disse Judy Lonning um professora pública aposentada de 69 anos de idade. “Nós não estamos dispostos a continuar sofrendo pelos pecados de Wall Street. As pessoas aqui estão acordando e percebendo que não podemos simplesmente ir às urnas. Estamos construindo um movimento para fazer com que nossos líderes nos ouçam”.

Os protestos encheram as ruas da zona financeira de Berlim a Atenas, de Auckland a Mumbai, de Tóquio a Seul. No Reino Unido, mais de três mil pessoas tentaram ocupar a London Stock Exchange. “O sistema financeiro beneficia um punhado de bancos, em detrimento às pessoas comuns”, disse Van Leemnen Spyro, um relações públicas de 27 anos de Londres e membro do núcleo dos manifestantes. “As mesmas pessoas que são responsáveis ​​pela recessão estão fugindo com bônus enorme. Isto é fundamentalmente injusto e antidemocrático.”

Na África do Sul, cerca de 80 pessoas reuniram-se na Securities Johannesburg Exchange, Talk Radio 702 informou. O protesto continuou apesar dos esforços da polícia para declarar a reunião ilegal. Em Taiwan, os organizadores atrairam várias centenas de manifestantes, que se sentaram calmamente fora do Taipei World Financial Center, conhecido como Taipei 101.

Seiscentas pessoas começaram uma ocupação do Confederation Park, em Ottawa, Canadá, para participar do Dia de Ação Global no último sábado. “Estou aqui hoje para ficar com os povos indígenas ao redor do mundo que estão resistindo a este corrupto sistema bancário global, que coloca o lucro antes dos direitos humanos”, disse Ben Powless, da etnia Mohawk e líder de jovens indígenas. “Povos nativos são os 99%, e fomos resistindo ao 1% desde 1492. Estamos marchando hoje para auto-determinação e dignidade contra um sistema que roubou nossas terras, envenenou nossas águas, e tem oprimido nosso povo por gerações . Hoje nós nos juntamos àqueles em Nova York e em todo o mundo a dizer: Não mais!”

Na Austrália, cerca de oitocentas pessoas se reuniram no distrito empresarial central de Sydney, carregando bandeiras de papelão e gritando “necessidade humana, não a ganância corporativa”. Os manifestantes acamparão por tempo indeterminado “para organizar, discutir e construir um movimento por um mundo diferente, não executado pelo 1% dos super-ricos”, segundo um comunicado no site Occupy Sydney.

O sucesso do movimento é devido em parte ao uso de tecnologias on-line e redes sociais internacionais. A rápida disseminação dos protestos é uma resposta popular às desigualdades esmagadora perpetuada pelo sistema financeiro global e bancos transnacionais. Mais ações são esperadas nas próximas semanas, e a ocupação de Liberty Square, em Manhattan, continuará indefinidamente.

Anúncios
Marcado:
Posted in: Sem categoria