Frente ampla do caixa 2

Posted on 20/10/2011

0


Na Folha de São Paulo

Entre as peças mais explosivas do inquérito da PF que apura o socorro ao PanAmericano, está um relatório de auditoria sobre “doações ocultas a partidos políticos”. Os investigadores alimentaram essa pasta com e-mails em que executivos do banco falam abertamente de negócios fechados e em tratativas com lideranças dos três maiores partidos do país: PT, PMDB e PSDB.
Numa das mensagens, de 2009, Guilherme Stoliar, sobrinho e braço-direito de Silvio Santos, afirma que o tio “ficou de boca aberta” ao saber dele quais eram “os amigos” que ajudariam a concretizar a venda de parte do banco à Caixa Econômica Federal.

Back-up Os e-mails em poder da PF revelam, também, que o PanAmericano estava preparado para bater à porta do Banco do Brasil caso a transação com a Caixa, selada no final de 2009, não tivesse sido concretizada.

Ressaca Em novembro de 2010, menos de um ano após a aquisição, veio à tona um rombo de R$ 2,5 bi -mais tarde recalculado para R$ 4,3 bi-nas contas do banco de SS. O escândalo foi um dos motivos que levaram à troca de quase todo o primeiro escalão da CEF na passagem do governo Lula para Dilma.

Anúncios
Posted in: Corrupção