CIA segue o twitter e o facebook

Posted on 04/11/2011

0


Em um parque industrial anônima na Virgínia, em um modesto prédio de tijolos, a CIA está a seguir tweets – até 5 milhões por dia.
No Centro de Fonte Aberta da agência, uma equipe conhecida carinhosamente como “bibliotecários vingativos” também observa Facebook, jornais, canais de notícias de TV, estações de rádio locais, salas de chat na Internet – qualquer coisa no exterior que qualquer um pode acessar e contribuir abertamente.
Do árabe ao mandarim, desde um tweet com raiva para um blog cuidado, os analistas coletam informações, muitas vezes em língua nativa. Eles fazem referências cruzadas com o jornal local ou uma conversa telefônica interceptada clandestinamente. De lá, eles constroem uma imagem procurada pelos mais altos níveis na Casa Branca, dando uma olhada em tempo real, por exemplo, no clima de uma região após o ataque SEAL da Marinha que matou Osama bin Laden ou talvez uma previsão de que uma nação do Oriente Médio parece maduro para a revolta.Sim, eles viram que a revolta no Egito ocorreria, eles só não sabiam exatamente quando exatamente a revolução teria início, disse o diretor do centro, Doug Naquin.
O centro já “previu que a mídia social em lugares como o Egito poderia ser uma mudança de jogo e uma ameaça ao regime”, disse ele em uma recente entrevista à Associated Press. Funcionários da CIA disseram que foi a primeira visita já concedida a um repórter.
A instalação da CIA foi criada em resposta a uma recomendação da Comissão do 11 de setembro, e sua primeira prioridade era se concentrar no combate ao terrorismo. Mas as várias centenas de analistas – o número real é sigiloso – acompanham uma ampla gama, desde o acesso à Internet chinês ao clima nas ruas no Paquistão.
A maioria estão baseados na Virgínia, mas os analistas também estão espalhadas por toda embaixadas dos EUA em todo o mundo para obter uma visão mais próxima das situações locais.
Os analistas de maior sucesso, Naquin disse, são algo como a heroína do romance policial “A garota com a tatuagem do dragão”: um hacker irreverente que “sabe como encontrar o que outras pessoas nem sabem que existe.”
Aqueles com um grau de mestrado em biblioteconomia e vários idiomas, especialmente aqueles que cresceram falando outra língua, “podem ser um oficial poderoso no escritório”, disse Naquin.
O centro começou com foco em mídias sociais, depois de ver como a Twitteresfera foi fundamento dos protestos contra o regime iraniano durante a Revolução Verde de 2009, quando milhares de pessoas protestaram contra o resultado das eleições que mantiveram Mahmoud Ahmadinejad como presidente. “A língua farsi era terceira mais presente em blogs e mídias sociais àquela altura em toda web”, disse Naquin.
A análise do centro acaba no briefing diário de inteligência que o presidente Barack Obama recebe, quase todos os dias.
Depois que bin Laden foi morto no Paquistão em maio, a CIA investigou o Twitter para dar à Casa Branca um instantâneo da opinião pública mundial.
Uma vez que os tweets não têm vinculação necessária e visível a uma localização geográfica, os analistas fizeram o recorte da avaliação pelas línguas faladas. O resultado: a maioria dos tweets na língua urdu, a língua do Paquistão, e dos tweets chinesese foram negativos. A China é um aliado próximo do Paquistão. Autoridades paquistanesas protestaram contra o ataque como uma afronta à soberania de seu país, um ponto sensível que continua a complicar as relações entre EUA e Paquistão.
Quando o presidente fez seu discurso abordando questões do Oriente Médio algumas semanas após o ataque, a resposta mais negativa do twitter nas primeiras 24 horas veio da Turquia, Egito, Iêmen, Argélia, Golfo Pérsico e também Israel, também, com muitos tweets em árabe e turco afirmando que Obama favoreceu Israel, e tweets em hebraico denunciando o discurso como pró-árabe.

Depois disso, a grande mídia chegaou à mesma conclusão, assim como a análise de dados de levantamentos secretos de inteligência dos EUA, com base em interceptações e agentes na região.
O centro também está no processo de comparação de seus resultados de mídia social com o histórico de organizações de pesquisa, tentando ver o que produz resultados mais precisos, Naquin disse.
“Estamos sendo atentos à possibilidade de que podemos estar recebendo uma super-representação das elites urbanas”, disse Naquin, reconhecendo que apenas uma pequena fatia da população em muitas áreas sob monitoramento tem acesso a computadores e Internet. Mas ele ressalta que o acesso a sites de mídia social por meio de telefones celulares está crescendo em áreas como a África, o que significa uma parcela “da população maior do que você poderia esperar está ativa na Internet sendo mais gente do que se poderia avaliar a partir das conexões de Internet em um determinado país”.
Sites como Facebook e Twitter também se tornaram um recurso fundamental para seguir uma crise em que se desenvolve rapidamente, tais como os motins que se alastraram em Bangkok em Abril e Maio do ano passado, disse o vice-diretor do centro. A Associated Press concordou em não identificá-lo, porque às vezes ele ainda trabalha à paisana em países estrangeiros.
Como diretor, Naquin é identificado publicamente pela agência, embora a localização do centro é mantida em segredo para impedir os ataques, sejam eles físicos ou eletrônicos.
O vice-diretor foi um dos membros da equipe de 20 funcionários do governo dos EUA, espinha dorsal que manteve a Embaixada dos EUA em Bangkok funcionando durante todo o tumulto, que aumentou quando os manifestantes foram às ruas que se espalham pela vizinhança da embaixada e das residências dos diplomatas americanos em Thais.
O exército se instalou, e as reportagens dos meios de comunicação tradicionais desaceleraram quando os repórteres locais foram ou presos ou intimidados pelas forças do governo.
“Mas dentro de uma hora tudo afluiu Twitter e no Facebook,” disse o vice-diretor. A CIA se deteve sobre 12 a 15 usuários que tuitaram relatos da situação e fotos de celular das manifestações. O pessoal da CIA fazia o cruzamento entre o que era informado no Twitter e as reportagens limitadas para descobrir quem entre eles estava fornecendo informações confiáveis. Os próprios tuiteiros também se policiavam, denunciando quando alguém apresentava um relato impreciso.
“Isso nos ajudou a diminuir àquela dúzia com quem poderíamos contar,” ele disse.
Em última análise, cerca de dois terços dos relatórios enviados pela embaixada foram mandados para todos os ramos do governo em Washington a partir da análise do escritório de código aberto da CIA durante a crise.
Anúncios
Marcado: ,
Posted in: Sem categoria