Questões de linguagem: O discurso da invasão

Posted on 04/11/2011

0


Ia falar sobre o ultimato dado pela justiça contra os estudantes que ocupam a reitoria da Universidade de São Paulo. Mas me vi forçado a novamente falar sobre a disputa lingüística na imprensa, que já havia destacado ontem.

A Folha de São Paulo publicou um editorial e quatro textos sobre a ocupação da reitoria da USP (além de um artigo falando sobre maconha na Universidade, de Hélio Schwartsman). Publicou um texto sobre os Occupy, dessa vez enfocando Oakland e os conflitos que ali aconteceram ontem. Texto pessimamente, escrito, aliás. Tenho a impressão que fala em Scott Olsen, mas sem citar nome e errando dados, fica difícil de entender.
Nos textos sobre a USP, dezessete referências a palavras em torno da idéia de invasão (sete vezes aparece “invasores”, cinco vezes “invasão”, cinco vezes o verbo “invadir”, em formas pessoais ou conjugado). Apenas três vezes aparece termos relacionados à ocupação: uma das matérias diz que o “local está ocupado”; no editorial, as citações são a “ocuparam”, “ocupação” e “ocupantes”.

A imensa maioria de citações referentes a invasão servem a um enquadramento que criminaliza a ação dos estudantes.

No caso do texto acerca do #OccupyOakland, não há referência a termos relacionados à invasão e uma vez a palavra “ocupe”, relacionada a Wall Street. Um enquadramento muito menos agressivo em um texto mal escrito.

O editorial da Folha, em que chama os estudantes da USP de “paranóica minoria” que agride a democracia, o ensino e a pesquisa, é o único texto em que palavras relacionadas à ocupação preponderam – inclusive com o uso em formas mais próprias ao contexto de lutas. São três contra duas relacionadas à invasão. Não precisavam forçar mais, uma vez que os qualificativos encontrados para denunciar os estudantes não podiam ser piores. Aliás, o texto em si é paranóico. Afinal a um grupo que reúne mais cerca de mil e cem estudantes na assembléia que decidiu desocupar o prédio administrativo da faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas não cabe o epíteto de minoria, muito menos paranóica.

Por outro lado, uma universidade administrada pelo segundo colocado nas eleições, o reitor Rodas, e que mente a respeito das decisões dos servidores nos conselhos superiores, também não pode ser chamada de democrática.

Por fim, um jornal que criminaliza dessa maneira as ações dos estudantes uspianos em defesa de sua liberdade mas enquadra de maneira completamente diversa os movimentos occupy nos Estados Unidos não pode ser considerado fazendo jornalismo de verdade. Aliás, apoio no Brasil apenas a movimentos de rua que visem derrubar o governo – nunca para defender mais democracia. Talvez por isso tenham levado dez dias para falar sobre o OcupaSãoPaulo no viaduto do Chá – a ocupação começou em 15 de outubro, mas somente foi noticiada pela Folha no dia 25.

Anúncios
Posted in: Sem categoria