#ToComLula

Posted on 21/06/2015

0


#ToComLula 

Passei o dia pensando e chego a seguinte conclusão.

Se o Moro quer prender Lula, que o faça logo. Se querem derrubar Dilma, que a derrubem. Se querem destruir a esquerda, que tentem. 

Se querem nos tornar novamente párias, clandestinos, perseguidos, violentados, inimigos públicos, que o façam.

Se querem linchamentos simbólicos, midiáticos, concretos, que o façam.

Mas saiam da moita. 

Mostrem a cara.

Apresentem suas armas.

Se querem um país radical de direita, com menos direito de manifestação, mais liberal, mais excludente, mais desigual, mais religioso, mais intolerante, mais teocrático, que o implantem de uma vez.

Não temo que Lula seja preso.

Não temo que sejamos minoria.

Não temo que o poder passe a eles. 

Não temo que nos excluam, persigam. 

Não temo que tenhamos ainda menos democracia.

Por quê?

Porque não será o fim.

Porque sou esperançoso.

Porque não tenho uma ideologia sobre a qual edifico minha fé e teologia – é justamente o contrário.

Porque tenho coragem histórica para enfrentar o momento.

Porque ainda que Deus não intervenha, Ele está conosco.

E Deus não é o Deus de Eduardo Cunha.

Nem de Malafaia.

Nem de Bolsonaro.

Nem de Feliciano.

Ele não é o Deus do torturador do meu pai que lia a Bíblia para ele antes de qualquer sessão.

Não temo que ameacem ou que nos cassem a democracia.

Porque já fizeram antes.

Porque o sangue que nossos irmãos derramaram clama aos céus por justiça.

Porque o sangue desses justos e dos próximos justos será cobrado por Deus.

Porque são de Jesus as palavras:

“Mas ai de vocês os ricos, pois já receberam sua consolação. Ai de vocês que agora têm fartura, porque passarão fome. Ai de vocês que agora riem, pois haverão de se lamenter e chorar. Ai de vocês quando todos falarem bem de vocês, pois assim os antepassados deles trataram os falsos profetas” (Lucas 6:24-26 NVI).

Porque eu creio, porque eu vivo no Ressuscitado, porque Ele vive, porque o Reino já está entre nós, nenhuma derrota da justiça, da paz, da inclusão, dos pobres da terra, nenhuma vitória das forças do poder, das trevas, do deus mamon, serão definitivas.

Porque a esquerda não pode ser destruída.

Pode ser calada.

Pode ser proscrita.

Pode ser presa.

Pode ser torturada.

Pode ser morta.

Mas ressuscita.

Ideias não são abatidas a tiros.

Utopias são horizontes de lutas.

Sonhos não envelhecem.

Podem matar uma formiga.

O formigueiro voltará.

Podiam torturar Rubens.

Aqui estão seus filhos.

Podem nos proscrever.

Ali, na esquina, estarão seus netos.

Nós sempre voltamos.

Sobrevivemos ao franquismo na Espanha e hoje Podemos governar as maiores cidades do país.

Fomos massacrados por Mussolini, mas hoje governamos a Itália.

No Brasil, fizeram com que os comunistas passassem mais tempo de sua história clandestinos que legais – mas os comunistas não se dobraram.

Quebraram o corpo de tantos, mas não mataram a nossa alma.

Sumiram com os corpos de muitos, mas são os que sumiram que são lembrados enquanto os outros desceram o esgoto da história.

Eu acredito que uma força divina nos empurra – sempre na direção de sermos mais humanos, mais maduros, mais justos, mais igualitários.

Ainda que hajam Malafaias, eles não têm a palavra final.

Ainda que reine a hipocrisia de um Agripino, ele chegará ao fim.

Mas as nossas ideias não se acabarão.

Que prendam Lula.

Que destruam o PT.

Que derrubem Dilma.

O que tiverem de fazer, que o façam depressa.

Mas saibam que ainda que sejamos abatidos, nunca seremos destruídos.

Sempre restaram sete mil que não dobraram os joelhos.

Uma minoria abraâmica.

Homens, mulheres e crianças que florescerão no sangue dos que foram abatidos no passado.

Não será de Moro, nem de Agripino, nem dos Marinhos, nem dos Civitas a última palavra.

Ideias não podem ser destruídas.

Venham logo.

Pregamos nas suas ruas o tempo todo, todos os dias. 

Venham com suas armas.

Prendam-nos.

Encarcerem-nos.

Torturem-nos.

Matem-nos.

Façam isso rápido.

Quanto mais rápido fizerem, mais rápido nos reergueremos.

E o lixo da história – o seu lugar – surgirá mais rápido para vocês.

Que venha a direita.

Que seja feio.

Que seja duro.

Que não haja lugar para um mundo diverso.

Que não haja lugar para os nossos direitos.

Que humanos da direita nos digam que humanos têm direitos.

Que venham com suas legiões.

Estaremos aqui.

Como Jeremias, não abriremos mão das nossas convicções. Não abrirei mão da minha fé.

Terão de me calar. De nos calar.

Mas um dia, um inverno passa.

Um dia, o sol renasce, o jardim floresce.

No terceiro dia, o Ressuscitado ressurge.

Seu Reino está entre nós.

E quando vocês menos esperarem, estaremos aqui.

O Reino será real.

Venham.

Façam logo.

Mas esperem. 

Toda onda tem refluxo.

E não será de vocês a palavra final.

Anúncios
Posted in: Política